Tuatara

21/09/2009 at 05:30 (Conservação, Répteis, Sphenodontidae, Vertebrados)

Os Sphenodontidae eram um grupo diversificado durante a Era Mesozoica (251 a 144 milhões de anos), incluindo formas marinhas, arborícolas e terrestres, tanto insetívoras quanto herbívoras. As formas do Triássico (251 milhões de anos) eram pequenas, com comprimento corporal de apenas 15 a 35 centímetros, mas durante os Períodos Jurássico e Cretáceo (206 e 144 milhões de anos, respectivamente) alguns Sphenodontidae chegaram a 1,5 metros de comprimento. A maioria dos Sphenodontidae do Triássico possuía dentes fundidos às maxilas (acrodonte), como no tuatara atual (Sphenodon), mas outras espécies possuíam dentes ligados às maxilas, principalmente por suas superfícies laterais (pleurodonte), como acontece com alguns lagartos.

Sphenodon

Sphenodon

As duas espécies de Sphenodon, conhecidas como tuatara, são os únicos Sphenodontidae atuais (“tuatara” é uma palavra Maori que significa “espinhos nas costas” e não se acrescenta “s” para formar o plural). Os tuatara habitaram, inicialmente, as ilhas do Norte e do Sul da Nova Zelância mas o advento dos humanos e seus associados (gatos, cães, ratos, carneiros e cabras) exterminou-os do continente.
Atualmente, populações são encontradas somente em cerca de 30 pequenas ilhas, ao largo da costa.
Os tuatara têm sido inteiramente protegidos na Nova Zelândia, desde 1895, mas apenas uma espécie, Sphenodon punctatus, foi reconhecida. De fato, existe uma segunda espécie de tuatara, S. guentheri, descrita em 1877. Devido ao fato de Sphenodon guentheri ser muito menos comum que S. punctatus, ele foi esquecido quando as leis de proteção ao tuatara foram escritas. Como resultado disso, S. guentheri não recebeu a proteção especial de que necessitava. A única população sobrevivente de S. guentheri consiste  em um grupo de menos de 300 adultos vivendo em 1,7 hectares de cerrado, no alto de North Brother Island. Esses animais foram considerados pouco importantes, em uma perspectiva conservacionista, se comparados às grandes populações de S. punctatus em algumas outras ilhas. Provavelmente, foi apenas a presença de um farol, ocupado até 1990 por guardas residentes, impedindo invasões a caça ilegal, que salvou o tuatara. A população de S. guenteri de East Island (a única outra população dessa espécie) tornou-se extinta durante este século. Esse exemplo ilustra o papel crucial que a taxonomia tem na conservação – uma espécie precisa ser reconhecida antes que possa ser protegida.

Sphenodon punctatus

Sphenodon punctatus

Sphenodon guentheri

Sphenodon guentheri

POUGH, H. F., JANIS, C. M. & HEISER, J. B. A Vida Dos Vertebrados 4ª Edição, Atheneu Editora, São Paulo, 2008.

Link permanente Deixe um comentário